Dica: Qualidade de fones de ouvidos…

Não se aplica apenas a fones de ouvidos, mas à saída de amplificadores (como o da sua placa de som) e outros equipamentos de áudio.

Anteriormente, escrevi um artigo que deixou alguns meio “brabos” comigo (por causa do título) onde digo que “DJ’s não sabem de nada“. Falei sobre o uso de equalizadores, sobre como a qualidade de CDs é muito superior aos discos de Vynil e sobre a “loudness wars“. Aqui vai uma dica para você que quer alguma maneira de saber se a qualidade do fone de ouvido (ou da placa-de-som, ou das caixas-de-som) é boa ou não… Trata-se de observar a “resposta de frequência”…

O que isso significa? Todo som audível pode ser desmembrados em “bandas” de frequências, começando à partir dos 20 Hz até os 20 kHz (a faixa média, audível por nós, humanos). Podemos traçar um gráfico mostrando em quais pontos dessa grande faixa conseguimos ouvir, com a intensidade (amplitude ou altura) original e em que pontos essa intensidade é diminuída (atenuada) ou aumentada (amplificada). Eis um exemplo de um gráfico de “resposta de frequências” de um fone de ouvido genérico:

Neste gráfico temos duas escalas: No eixo vertical temos uma escala linear. Cada linha é exatamente 5 dB maior ou menor que a linha anterior. No eixo horizontal temos uma escala “exponencial”. Note o padrão ente a linha 100 e a linha 1000. Os traços vão ficando mais e mais perto uns dos outros, numa espécie de compressão, para que possamos traçar o gráfico em uma escala muito maior sem gastar muito espaço… Ainda, a partir da linha 100, a próxima, à direita, representa 200 e, portanto, de uma linha para outra houve uma variação de 100 unidades… Mas, a partir da linha 1000, às linhas à direita variam de 1000 em 1000 (ou seja, numa escala 10 vezes maior que a anterior). A esse tipo de escalonamento bidimensional damos o nome de “escala semi-logarítmica” (porque uma delas não é “logarítmica”!).

De acordo com o texto em que sacaneio os DJ’s, sabemos que “decibel” é uma unidade de medida relativa, uma razão… 0 dB equivale a uma relação de 1:1, 3 dB equivale a, aproximadamente, uma razão de 2:1 e, -3 dB a uma relação de 1:2… É padrão considerar qualquer coisa abaixo de -3 dB como “inaceitável” em termos de “perda” ou “atenuação”. Então, o que esse gráfico de “resposta” nos diz?

Bem… Mais ou menos abaixo de 100 Hz e acima de 15 kHz o sinal será atenuado para menos de -3 dB. Ou seja, o som vai ficar “baixinho” nessas frequências… O gráfico diz mais ainda: Mais ou menos lá pros 150 Hz até os 2 kHz a amplitude do sinal será mais ou menos a original (não há perdas e nem ganhos significativos, ou seja, fica em torno dos 0 dB). E, também, para frequências entre 2 kHz até pouco depois dos 10 kHz há um “ganho” de volume (amplitude)… ou seja, essas frequências vão parecer mais altas no seu ouvido.

Ora, de forma ideal, o que você quer é um fone que tenha uma resposta em torno dos 0 dB para toda a faixa audível. Então, quanto mais “retinha” for a curva, perto dos 0 dB, melhor…. Poucos fones oferecem isso. Um exemplo é o Koss Porta Pro:

Koss Porta Pro e sua resposta de frequência

Note a pouquíssima amplificação ou atenuação em toda a banda audível e o repentino corte na frequência de 20 kHz! Isso faz da Koss, além de ser a empresa que inventou os fones de ouvido, um dos melhores fabricantes na área.